28.12.07

The meaning of life

Passei a última semana inteira brigando para gerar uma única equação no Maple, a solução exata para o atraso de uma onda. Deveria ser bastante direto, dado que estamos utilizando como modelo de testes um grafo unidimensional relativamente simples. As dificuldades dos últimos dias, porém, já indicavam que provavelmente não seria tão fácil. Pois bem, a resposta analítica que acaba de ser calculada tem nada menos que 16 mil linhas - uma enorme expressão com milhares de senos e coscenos nas mais diferentes combinações e potências. Duas tentativas de simplificá-la resultaram no estouro da memória do meu computador, com o Maple sendo morto pelos mecanismos de auto-defesa do kernel. Enviei o resultado para a Sandra e, na falta de outro caminho, irei implementar esta resposta num programa para gerar pontos e compará-los com a aproximação do atraso feita através das órbitas periódicas, como eu já fiz para a condutância.

Mas não escrevo para me lamuriar dos problemas técnicos do meu trabalho. Muito mais o faço pela sensação de absoluta desconexão da realidade que se abate quando vejo aquela sequência impenetrável que parece não trazer nenhuma informação nova... e pela forma com que isto se conecta com os últimos dias.

Minha rotina tem girado em torno de trabalhar no Maple e, enquanto este realiza algum cálculo, sentar na sala para tomar chimarrão e ler, primeiro o "Cem dias.." do Amyr Klink, agora "As Pequenas Memórias", do Saramago. Noto principalmente a ausência da estrutura de treinos e a influência que isto tem no desenrolar do dia, mas também sinto falta de alguns compromissos fixos, como as aulas de francês e alemão ou os colóquios e seminários do Instituto. Ainda assim (não parece a conexão correta, mas vá lá), estou aproveitando o período ao máximo para o que ele (ou elas, as férias) se propõe. Seja mateando tanto quanto possível com amigos no Parcão ou na Redenção - muitas vezes acompanhado de batidas na Lancheria do Parque -, saindo quase todas as noites, para uma janta com ex-colegas, um aniversário, ou encontrar com amigos n'algum bar (ultimamente, Mulligan, na Padre Chagas, ou Zelig, na Cidade Baixa), e, após estas saídas, dormindo seguidamente até o meio da manhã, me surprendendo, quase que com uma ponta de culpa, por sair da cama com o sol já tão alto. Oras, férias são para isto :-)

2 comments:

monimay said...

As we know, the meaning of life is to be happy! ;)

Benjamin said...

A guy from Romania says:
"Life sucks, then you die."

E complementa:
"Just try to leave behind a beautiful corpse"