31.5.08

whiskas@ca #1

Mais uma série de relatos de mais uma viagem internacional; desta vez, estou a caminho de Montreal, no Canadá, onde participarei do workshop "Mathematical Methods of Quantum Chaos", no Centro de Pesquisas Matemáticas da Universidade de Montreal. Inicio este relato no saguão de embarque do aeroporto de Guarulhos, onde aguardo a chamada para embarque do meu vôo para Toronto.

Um breve retrospecto, para aqueles que não acompanharam o desenrolar dos acontecimentos que me trouxeram até aqui. Em setembro do ano passado, consegui meu primeiro resultado na linha de pesquisa com a qual estou engajado, demonstrando a contribuição das chamadas órbitas periódicas no espectro da condutância de um grafo; tal resultado foi refinado e, graças à um avanço bastante positivo obtido no início deste ano, foi possível estabelecer uma fórmula exata que resolvia o sistema. Tal é o assunto do trabalho que, na forma de um pôster, irei apresentar por lá. Esperamos agora estender tal linha de raciocínio para outros grafos, e já há indícios bastante favoráveis que tal generalização é possível e, mais importante, tangível num futuro próximo.

Pois bem. Avançamos rapidamente para o início desta semana, quando o último rascunho do já mencionado pôster foi apresentado ao, e subsequentemente aprovado pelo, meu grupo de pesquisa, sendo imediatamente após encaminhado para impressão. Ontem ainda levei-o ao campus para mostrar o resultado impresso, que ficou bastante bonito, devo acrescentar.

Com um rascunho da minha mala já pronto na minha cabeça, celebramos ontem à noite uma pequena "despedida" com algumas pizzas e vinho. Hoje, tratei de implementar a bagagem que havia planejado, cuja execução só não foi mais tranquila por eu descobrir, no final da manhã, que meu vôo partiria às 12h30, e não 13h22 como a reserva inicial havia planejado. Pois bem, tratei de rapidamente encerrar a mala-bike, um banho a jato, e estava a caminho do aeroporto, onde encontrei meu pai para lhe entregar o carro e me despedir.

Como a sorte o teria, fui informado que meu vôo estava lotado, com a atendente do balcão desculpando-se por ter de postergar meu embarque para o vôo das 15h - na verdade, uma troca ideal, pois permitiu-nos almoçarmos com calma... No final das contas, graças aos atrasos decorrentes do mau tempo em São Paulo e do nevoeiro em Porto Alegre pela manhã, o vôo partiu com quase uma hora de atraso, e com a escala em Curitiba, cheguei aqui em São Paulo perto das 18h30 - desta forma, com muito menos tempo ocioso para entediar-me pelo aeroporto. Com as baganges já despachadas, restou-me fazer um pequeno lanche antes de sentar, ao lado do portão de embarque, para escrever este relato...

- - -

Vôo tranquilo, num 767 reformado da Air Canada, com um esquema de luzes de cabine coloridas, algo um tanto psicodélico.. conforme iamos voando, mudavam de luzes brancas (normais) para um tom azulado.. depois luzes vermelhas, laranjas.. verdes.. até que escureceram para a noite. Um assento meio apertado na janela, um jantar vegetariano da classe executiva, não posso me queixar. Fiz imigração e alfândega em Toronto, e depois de pouco tempo, a conexão para Montreal, que saiu pontualmente no horário. Chovia bastante quando cheguei, então preferi não me arriscar pelo sistema de shuttle-metrô-ônibus e optei por pagar uns dólares à mais para vir de táxi para a residência da Universidade. Aqui chegando, desfiz as malas, montei a bicicleta, tomei um bom banho, e saí em busca do almoço - acabei comendo um Subway numa esquina aqui do lado, como voltou a chover, preferi não caminhar até o centro.

Na volta para "casa", uma parada num mercadinho para comprar artigos de primeira necessidade, e qual não é minha surpresa - as avenidas estão bloqueadas, motos passam com sirenes ligadas, e um pelotão com mais de 50 ciclistas passa voando do meu lado. Como eu prontamente havia esquecido, hoje é a etapa de Montreal da Copa do Mundo de ciclismo feminino, com direito às equipes da Menikini-Selle Italia, Cervelo-Life Force, Nürnberger Versicherung e da High Road, enfim, a trupe completa. Estou assistindo a corrida aqui da janela do meu quarto; mais tarde devo subir na bike para pedalar até a chegada (a prova desenrola-se num circuito de 10km, que faz o contorno no campus da U de M e no parque do Mont-Royal, aqui do lado). Enfim - nem bem cheguei, e já comecei bem :)

3 comments:

Benjamin said...

Blame Canada!

monimay said...

Essa tua bicicleta conhece mais lugares no mundo do q eu!!!

Diógenes de Sínope said...

Quando eu li sobre a iluminação, a primeira coisa que pensei é que eles deviam estar tentando controlar o ânimo das pessoas. Uma luz azul, por exemplo, seria usada para acalmar. Ou algo do tipo. :D

Ou os caras são doidos mesmo.