2.6.08

whiskas@ca #2

Minha ciesta acabou se extendendo e perdi a chegada da corrida ontem, que foi vencida pela Judith Arndt (High Road) sobre a Fabiana Luperini (Menikini-Selle). Saí para caminhar, sob o pretexto de ir procurar uma loja de bicicletas, e aproveitei para fazer algumas fotos e conhecer um pouco mais o lado residencial de Montreal. Tive ainda a oportunidade de roubar a placa indicativa de "2km para a chegada", que era coincidentemente aqui do lado da Universidade; dobrei-a e coloquei embaixo do braço no caminho de volta para o alojamento :P

Pretendia ainda sair para pedalar no final da tarde de ontem, coisa que não fiz, primeiro por causa da chuva, depois pelo receio de não voltar antes de escurecer. Acabei saindo a pé para fazer compras e montar um pequeno estoque de pães, croissants, queijos e chocolates para os primeiros dias da semana. Na cama cedo, fui recuperar o pouco sono da viagem, capotando pouco depois das 21h.

Levantei hoje pouco após as 7h (nada como quase dez horas de sono ininterruptas!), fiz o café-da-manhã no saguão do hotel, e fui me vestir para pedalar. O dia mostrava-se mais animador que o anterior, com bastante vento e alguns raios de sol entre as nuvens cinzas. Com uma camisa de manga longa e uma folha de jornal por baixo, saí em busca do percurso da Estacade, que me recomendaram como um bom lugar para treinos de contra-relógio - 11km, planos, sem sinaleiras ou interesecções, numa península ao sul da ilha de Montreal. Havia montado um roteiro após consultar os mapas, mas este foi logo por água abaixo (devo dizer morro abaixo?), quando encontrei uma das principais avenidas que eu deveria tomar fechada por obras, e tentei como pude me orientar de cabeça na direção sul-sudoeste.

Parei para consultar o mapa, mas qualquer outro caminho envolvia uma miríade de pequenas ruas para cruzar o canal, o que me levou a circular um tanto pelo centro financeiro da cidade até chegar numa segunda ponte - infelizmente, uma autopista, com um símbolo "proibido bicicletas" desencorajando qualquer tentativa de seguir por ali. Segui costeando o canal para procurar uma outra ponte, quando descobri que o canote do selim não havia sido propriamente apertado; meu banco já estava quase 1cm mais baixo do que quando eu havia montado a bicicleta. Para completar, o mapa voou do bolso da minha camisa - nada difícil de se imaginar, dado quanto ventava. Resolvi seguir adiante, sabia que o canal desembocaria no rio Saint-Laurent, que me permitiria fazer o contorno da cidade até algum lugar conhecido.

Cheguei no final do canal e comecei a pensar num trajeto para a volta. Até ali, o pedal era um grande candidato ao título de experiência miserável sobre rodas no estrangeiro. Então, pedalando de volta um trecho da ciclovia, passam 7 ciclistas com uniformes da Nürnberger Versicherung (maior equipe feminina da Alemanha) e da Menikini. Opa! Faço meia-volta e sigo atrás delas (fiz um vídeo desta aproximação), e logo em seguida dou um Oi, dizendo que eu morei um tempo em Nürnberg e conhecia a equipe (um colega da minha antiga equipe na Alemanha era grande amigo e colega de treino delas). Fiz alguns vídeos e mais algumas fotos, logo mais o grupo se separou, e duas meninas seguiram na direção que eu tomei, acreditando que se tratava do caminho de volta para a residência. Conversei bastante com a Larissa Kleinmann, enquanto sua colega sueca, Marie Lindeberg, não se animou muito. Fizemos juntos o caminho de volta subindo o Mont-Royal (a Larissa reclamando muito da subida, ponto onde ela havia abandonado a prova ontem), e descobri que elas estão alojadas praticamente do lado do meu "hotel". Durante a semana elas participarão de outras corridas aqui por perto, uma delas no final da tarde, que tentarei ir assistir depois da conferência...

Depois de um banho, saí para almoçar e caminhar pela cidade; comi uma pizza no pequeno centro comercial próximo da Universidade, e segui caminhando em direção ao centro da cidade. Consegui fazer o caminho que pretendia ter feito com a bicicleta, afinal a pé é mais fácil contornar os desvios... mas logo me desviei para entrar nesta ou naquela ruela, em busca de uma vista diferente, algumas fotos, souvenirs... Ao final, caminhei quase cinco horas por todo o centro comercial e histórico da cidade; elaborações sobre o turismo numa próxima divagação.

Fiz mais uma parada para comprar um baguette fresquinho, e agora faço um lanche com as pernas esticadas para descansar um pouco dos esforços ciclísticos e turísticos do dia. Devo assistir um filme agora e novamente ir dormir cedo; amanhã começa a conferência... até mais!

3 comments:

monimay said...

O, Whiskas, heim! Recem chegou e jah estah abocanhando os lanchinhos! :)
heheheheh
Te diverte, mas nao muito!
Beijos
moni

Benjamin said...

Lamentavel nao tratar-se de um lanchinho "pequeno homem". Quem sabe ele soh nao expos isso no blog ;)

Pedro said...

e depois eu que sou o podre....